"> O ESTADO ATEU DO LULA versus O VERDADEIRO ESTADO LAICO - Direito Religioso }catch (ex){}
O ESTADO ATEU DO LULA versus O VERDADEIRO ESTADO LAICO
>
>
O ESTADO ATEU DO LULA versus O VERDADEIRO ESTADO LAICO

O ESTADO ATEU DO LULA versus O VERDADEIRO ESTADO LAICO

Por: TR Vieira e Jean Regina

Não é de hoje que a ideologia política progressista conta com figuras extremamente carismáticas que são especificamente treinados para falar de forma convincente e direto ao íntimo das pessoas; uma espécie de Messias. A política é propagada como a salvação do povo contra suas mazelas sociais e o líder político é o novo messias que está sempre pronto para atender todas as carências dos governados.

E no Brasil, o que temos? Temos Lula surfando na narrativa brasileira progressista de laicidade. Recém saído da cadeia, Lula já pega a onda da narrativa laicista inventada pela esquerda brasileira: “o papel do Estado é ser laico, e não ter uma posição religiosa”, foi o que disse para UOL em entrevista exclusiva , colecionando mais um registro das lições de moral que ele dá no Presidente democraticamente eleito pelo povo brasileiro [e que não está envolvido em nenhum esquema de corrupção] Jair Messias Bolsonaro.

Ele critica a influência da Igreja sobre as periferias e sobre o governo, fomentando a falsa ideia que a atual gestão adota uma posição religiosa inconstitucional, como se o modelo de Estado Laico que adotamos fosse o laicismo francês [com sérias restrições à liberdade religiosa, e em alguns casos atraindo a perda de direitos políticos em caso de escusa de consciência]. Bom, aí os caras chatos do Direito Religioso têm que sentar e desenhar de novo, já que o Lula ainda não sabe nada de laicidade, laicismo, Declaração dos Estados da Vírginia, Jacques Maritain, Constituição brasileira de 1988 e etc.

Conseguiríamos escrever um livro de milhares de páginas, só contabilizando o número de vezes que a esquerda narrou aos quatro ventos que Estado Laico significa perseguir a religião no espaço público. A grande verdade é que se não fosse a influência religiosa, talvez nem uma Constituição teríamos hoje, liberdade religiosa ou direitos fundamentais.

A narrativa do Lula traz um ar nefasto à influência da religião, totalmente diverso do modelo adotado por nosso constituinte de 1988 (isso que ele foi um dos constituintes…). Nosso modelo de laicidade colaborativa incentiva a colaboração entre a ordem religiosa e a ordem secular. A religião é fonte de dignidade e não de combate.

Ao invés de regurgitar tanto rancor, Lula deveria reconhecer que a Igreja é especialista em travar batalhas contra a pobreza e a marginalização, diferente do que o socialismo diz fazer. A Igreja vai até a comunidade, atrai para si crianças, ensina sobre o futuro de uma vida de estudos e confissão de fé. Na igreja todo e qualquer brasileiro é convidado a realmente exercer cidadania e ser cidadão. A Igreja ensina que o pecado engana e destrói, ao mesmo tempo que indica o caminho correto – tanto no sentido religioso, quando no sentido cívico. É na Igreja que vemos homens desenvolvendo a arte da retórica, crianças aprendendo a ler e escrever para ter acesso à Bíblia, sendo incentivadas às diferentes vocações para que tenhamos cristãos presentes em diferentes esferas do conhecimento.

Lula confirma que o progressismo é desonesto ao utilizar o argumento do Estado Laico, e que só vai à missa para copiar a Manu e o seu sucessor Haddad [com vistas a ganhar votos]. Vamos lembrar [de novo] o verdadeiro conceito da laicidade brasileira? Ele está na proteção à liberdade religiosa, garantia de não embaraço ao culto e salvaguarda ao sentimento religioso – tudo isso sem fechar os Entes à influência da religião. A noção de boa governança e princípio anticorrupção guardam uma origem na religião cristã.

Não estamos diante de um governo perfeito. Está cheio de lacunas, decisões erradas. Ainda estamos lutando contra a política de privilégios. Mas há pequenos passos de mudança. Há retorno quanto as pretensões do povo brasileiro: e isso faz deste texto não apenas uma defesa a favor do verdadeiro conceito de Direito Religioso, mas também de uma articulação política pautada em premissas honestas. Sem criar mitos, sendo transparente sobre a influência cristã no governo, nas estruturas sociais e na formação de ações que visem a dignidade da pessoa humana.

Diferente do Lula, que quer [abertamente] mudar a interpretação da Bíblia – o que, per si, é um afronta ao Estado Laico, forçando que uma religião se molde à pretensões opostas ao seu cerne – precisamos lutar pela preservação da religiosidade, e andar firme na proposição de engajamento cultural: influenciando, sem medo das articulações satânicas, e sem permitir que a esquerda subverta, mais uma vez, o conceito de Estado Laico em uma mentira.

Thiago Rafael (TR) Vieira
Jean Regina

Publicado originalmente em BURKE INSTITUTO CONSERVADOR

Compartilhar com

Não existem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

Loja Carrinho

Nenhum produto no carrinho.